segunda-feira, janeiro 07, 2008

Adeus, Eugénio de Andrade #2


óleo s/papel, 32x24 cm

3 comentários:

pedro disse...

eu gosto muito desta tua "aposta", para além de me lembrar alguns trabalhos da pamela golden, como já te disse. Mas é a sintese e a pincelada que me agradam e muito. Para além disso, este uso e abuso da parte branca anti-matéria da folha deixam a ideia difusa que a personagem apareceu ali ou ficou por ali, não se sabe. apareceu por obra de um pequeno rolo de tipografia, que transporta ícones fantásticos, e neste caso adróginos (intencional?).

Luísa R. disse...

Gostei da expressão contida e das cores que usaste.

Trata-se de algum personagem específico? Pergunto isto por causa da indumentária do dito personagem.

Cristina D'Eça Leal disse...

É uma "missing identity". A utilização de uma pequena parte do espaço é para concentrar o olhar e fazer crer, por momentos, que seria mais perceptível se não fosse tão pequeno.
O poema parece linear mas foge-nos constantemente a uma interpretação específica. Fica apenas uma impressão, como a de uma memória que teima em diluir-se. Daí esta figura improvável, apagada no tempo.