segunda-feira, março 17, 2008

The hills are alive #3 - 2ª fase

Ceci n'est pas un château, carvão s/ papel, 21x29,7cm 


- Look, my liege!


[trumpets]

- Camelot!

- Camelot!

- Camelot!


- It's only a drawing.

___

11 comentários:

pedro disse...

muito bom o trabalho de contraste, o brilho a 1/3 a dar volume à montanha.
muito bom regresso, grande artista. Eu sou dos que gosto das tuas "coisas" escuras ;o)
ah, e excelente composição, como sempre ... a legenda e a inspiração deixam um cheirinho de paradoxo

Luísa R. disse...

O texto que acompanha o desenho foi adaptado de uma cena do filme "Monty Python and the Holy Grail".

E o título tem ver com o "Ceci n'est pas une pipe" do Magritte, claro.


Porque dizes que existe um paradoxo?

Luísa R. disse...

O desenho também foi inspirado na dita cena do "Monty Python and the Holy Grail".

---

P.S. - Entre muitos assuntos dignos de nota, o filme revela-nos o papel dos camponeses anarco-sindicalistas na Idade Média.
Há toda uma revisão da História que se impõe fazer.
Sinto que a importância do anarco-sindicalismo na Idade Média foi completamente branqueada.


:O)


---

Gostei muito dos vossos. Amanhã, comento.

cristina disse...

Não vejo nenhum paradoxo e acho que funciona em qualquer das dimensões. Fez-me saudades dos Monty Python.

Concordo contigo, Luísa, os MP têm muitas camadas de significado, algumas merecedoras de profunda reflexão. E a questão da revisão da História é algo que se impõe, evidentemente. A História tem sido escrita pelos vencedores e isso nota-se...
A propósito, algum de vocês leu Armas, Germes e Aço do Jared Diamond? Acho que é de leitura fundamental. Podemos falar disso, se quiserem. Acabei de o emprestar a uma amiga, mas depois da Páscoa sou capaz de já o ter de volta e posso emprestá-lo de novo (mas já sabem que os meus livros estão sempre sublinhados e anotados, o que algumas pessoas consideram bastante desagradável)

cristina disse...

Só mais uma coisa: é "liege" ou "siege"?

Desculpa a ignorância, mas é que se é liege vais ter que me explicar o significado.

pedro disse...

o paradoxo a que me referia era o tom visual dramático em contraste com o tom verbal hilariante ... penso eu de que ...
tb estou curioso em relação a "liege".

Luísa R. disse...

Cristina,

Estava a brincar com a questão dos camponeses anarco-sindicalistas na Idade Média :O)

(a propósito, acho que o Michael Palin é de História)


Acerca da palavra "liege": está ligada ao Feudalismo -
«n.
1. A lord or sovereign to whom allegiance and service are due according to feudal law.
2. A vassal or subject owing allegiance and services to a lord or sovereign under feudal law.
3. A loyal subject to a monarch.

adj.
1.
1. Entitled to the loyalty and services of vassals or subjects: a liege lord.
2. Bound to give such allegiance and services to a lord or monarch.
2. Loyal; faithful.

[Middle English, from Old French, entitled to feudal allegiance, from Late Latin laeticus, being a semifree colonist in Gaul, from laetus, a semifree colonist, of Germanic origin.]»
In http://www.answers.com


«In European feudal society, an unconditional bond between a man and his overlord. Thus, if a tenant held estates from various overlords, his obligations to his liege lord, to whom he had paid "liege homage," were greater than his obligations to the other lords, to whom he had paid only "simple homage."»
In http://www.britannica.com

Luísa R. disse...

Quanto ao verdadeiro diálogo da cena do filme "Monty Python and the Holy Grail" é o seguinte:


«Scene 6: "Camelot is a Silly Place" -

[clop clop clop]

SIR BEDEVERE: And that, my liege, is how we know the earth to be banana-shaped.

ARTHUR: This new learning amazes me, Sir Bedevere. Explain again how sheep's bladders may be employed to prevent earthquakes.

BEDEVERE: Oh, certainly, sir.

SIR LANCELOT: Look, my liege!

[trumpets]

ARTHUR: Camelot!

SIR GALAHAD: Camelot!

LANCELOT: Camelot!

PATSY: It's only a model.

ARTHUR: Shh! Knights, I bid you welcome to your new home. Let us ride... to... Camelot!»



Lembro-me sempre da frase It's only a model (acerca do castelo que se vê nessa cena, ao longe, no topo de uma colina), quando, por vezes, se fazem fabulosas histórias e rebuscadas interpretações acerca de uma pintura.
E qualquer um de nós sabe o que é isso :o)

Daí, também, a legenda Ceci n'est pas un château e a frase adaptada it's only a drawing - é só um desenho de um castelo, não é um castelo, quanto mais Camelot!... eheh

cristina disse...

Olha que bela explicação! É por isso que adoro acompanhar os processos criativos dos outros. É quase como um jogo, temos que tentar ver sob diferentes perspectivas para podermos tirar conclusões próprias; depois vai-se a ver e o autor seguiu um processo absolutamente diferente, com outra intenção e outros significados. Outras vezes acertamos no essencial e regozijamo-nos. Mas isso só acontece se o significado não for óbvio, já repararam? Se for óbvio, afastamo-nos rapidamente e não pensamos mais nisso.


Tu estarias a brincar com os anarco-sindicalistas, mas eu não estava a brincar com a revisão da História. E penso que os MP têm essa particularidade de brincarem com conceitos que precisam de revisão, daí podermos ver os seus filmes diversas vezes e encontrar sempre novas leituras.

juca disse...

quando vamos poder novamente ver ao vivo os teus trabalhos ?

Luísa R. disse...

Juca, daqui a uns meses.